Intuito do encontro foi conscientizar as empresas sobre a obrigatoriedade e importante do programa para a formação de novos profissionais

Com o apoio da secretaria de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação de Barra Mansa, a Escola Técnica Pandiá Calógeras (ETPC), da Fundação CSN, realizou nesta quinta-feira, dia 26, uma palestra sobre a importância do programa Jovem Aprendiz nas empresas da região. O encontro aconteceu na Quadra do Floriano Futebol Clube, no distrito de Floriano, com o público formado, em sua maioria, por empresários dispostos a aprender mais sobre o tema.

Participaram o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agnaldo Raymundo; o secretário de Meio Ambiente, Carlos Roberto de Carvalho; o vereador Wellington Pires; além de representantes de empresas do município como Michelin, DuPont/FMC e Casa da Música.

A Lei da Aprendizagem, por meio da lei de nº 10.097/2000, juntamente com o decreto Federal nº 5.598/2005, determina que as empresas de médio a grande porte devem possuir de 5% e 15% de jovens aprendizes em trabalho e/o estágio, sendo que estes demandem alguma função dentro da empresa. A partir de sete empregados, a empresa já é obrigada a ter em seu quadro jovem aprendiz.

Para Agnaldo Raymundo, o programa Jovem Aprendiz facilita a entrada de adolescentes e jovens no mercado de trabalho. “Esse é o intuito do programa, facilitar a entrada desses jovens no mercado com o primeiro emprego. Em compensação, além de trabalhar, o aprendiz também deve manter a frequência regular na escola”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico de Barra Mansa.

Ele explicou que o intuito do encontro foi conscientizar os empresários sobre a obrigatoriedade. “Muitas empresas descumprem a lei por falta de conhecimento. É importante bate-papos como esses para que as dúvidas sejam eliminadas e a lei seja cumprida garantindo assim a oportunidade aos jovens e às empresas de capacitar novos profissionais”, afirmou, acrescentando que a secretaria pretende buscar parcerias com órgãos profissionalizantes como SENAR, SENAI e ETPC para investir no Jovem Aprendiz e garantir que o programa seja executado no município.

Durante o bate-papo ministrado pelo diretor da ETPC, Rogério de Paiva Lima, foi discutido sobre os benefícios e particularidades do programa. Ele explicou que os requisitos básicos para participar do Jovem Aprendiz são: ter de 14 a 24 anos, ter concluído ou estar cursando o Ensino Fundamental ou Médio. “É importante salientar que o programa não visa cumprir a cota de aprendizes nas empresas, mas mobilizar uma responsabilidade social através do jovem que ainda não possui experiência e que pode ser moldado de acordo com a cultura de cada empresa formando-se em mão-de-obra qualificada e com custo acessível”.

Segundo Rogério, não existem desvantagens, mas desafios a serem superados como incorporar a formação profissional na empresa, paralelamente ao ensino teórico nas instituições cadastradas. “É uma via de mão dupla, ao mesmo tempo que ele aprende na empresa trabalhando, ele também aprende no ensino teórico, podendo fazer esse intercâmbio de informações e capacitando-o para uma profissionalização muito melhor”, concluiu o diretor da ETPC.