Escola especializada para autistas tem festa junina para alunos, familiares e comunidade em Volta Redonda

0

SEMEIA promove de três a quatro eventos de socialização a cada ano

Com o objetivo de promover integração entre professores, alunos, familiares e a comunidade o SEMEIA (Sítio Escola Municipal Espaço Integrado do Autista Thereza Chicarino) realizou na manhã e à tarde nesta quinta-feira, dia 11, a Festa Junina da instituição. O evento faz parte do calendário para socialização na escola que prevê de três a quatro encontros por ano.

A diretora da unidade, Lúcia Regina Cruz, que atende 87 pessoas com Transtornos do Espectro Autista (TEA), explica que, ao longo dos 11 anos que está à frente da escola, observou a importância da integração com os pais e a comunidade para o bem-estar dos alunos.

“A festa é realizada todos os anos com doações de professores e a colaboração dos vizinhos. Conseguimos prenda para pescaria e para o jogo de lata e também servimos comidas típicas como canjiquinha, canjica doce. Mas diversão mesmo é na hora do baile”, contou Lúcia.

Fabiane Carvalho Varela, mãe do Lucas, de 17 anos, se divertiu durante a festa. Acompanhou o filho no jogo de latas e dançou no baile que serviu como aquecimento para a quadrilha. “Até o ano passado, ele estudava na Escola Especializada Dayse Mansur. E o Lucas se adaptou bem rápido aqui no SEMEIA, estou muito satisfeita”, disse.

Liê Ribeiro e Wanusa Rodrigues, mães do Gabriel Gustavo e Cássio, respectivamente, ambos de 30 anos, também aprovam o acolhimento no Sítio Escola. “Apóio as iniciativas que promovem socialização, foi-se o tempo em que o autista ficava trancado em casa”, falou Liê. “Aqui eles convivem com outras pessoas e aprendem a ser mais independentes no dia a dia”, contou Wanusa.

A secretária de Políticas Públicas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos, Dayse Penna, e a responsável pela pasta para Pessoas com Deficiência da secretaria, Angélica Emilie, prestigiaram a Festa Junina do SEMEIA. “É nosso papel conhecer e dar suporte às instituições que assistem a esse público. Destacamos aqui o trabalho pelo desenvolvimento da autonomia dos alunos e o atendimento humanizado”, falou Dayse.

A secretária de Educação, Rita Andrade, lembra que o atendimento na Rede Municipal de Educação para pessoas com Transtornos do Espectro Autista (TEA) começa pela Escola Especializada Dayse Mansur da Costa Lima, que fica no bairro Jardim Paraíba, onde atende crianças e jovens até completarem os 16 anos. “Buscamos colaborar com a evolução dos alunos na parte pedagógica e também incentivamos o convívio social, sempre com objetivo de melhorar a qualidade de vida para o autista e sua família”, explicou Rita.

SÍTIO ESCOLA – Ao serem transferidos da Escola Especializada Dayse Mansur para o Semeia (Sítio Escola Municipal Espaço Integrado do Autista Thereza Chicarino), que fica no bairro São Luiz, eles realizam diariamente mais de 20 atividades adaptadas. Lá, eles frequentam academia de ginástica, fazem atividades na quadra de esportes, além de participar de passeios sociais como idas a supermercados e ainda, mostram talento e criatividade em uma oficina de artes. No Sítio Escola, eles ainda contam uma com horta e uma cozinha modelo, onde executam tarefas do dia a dia para conquistar mais independência.

Esses alunos ainda contam com transporte em ônibus especiais com a presença de monitores para acompanhá-los no trajeto diário de casa até a escola.

Para o prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, ter uma rede de apoio para as pessoas com deficiência é fundamental para o desenvolvimento delas. “Nas escolas elas recebem estímulos para o desenvolvimento do seu potencial, respeitando suas questões específicas. A partir desse trabalho conjunto pode ser oferecido a elas meios de inclusão social”, disse o prefeito.

Ele citou que o atendimento especializado para os autistas em Volta Redonda também passa pela Rede Municipal de Saúde. “Contamos com o CER III (Centro Especializado em Reabilitação), que funciona no Estádio Raulino de Oliveira, no Jardim Paraíba, que atende com equipe multidisciplinar composta por médico pediatra e neuropediatra, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, psicólogo, terapeuta ocupacional e assistente social”, lembrou Samuca.  

MAIS FESTA JUNINA – Nesta sexta-feira, dia 12, às 17h, será a vez da comunidade da Escola Municipal Especializada Dr. Hilton Rocha, que funciona na Voldac, confraternizar durante a Festa Junina. A unidade desenvolve um trabalho direcionado para alunos com deficiência visual e baixa visão e tem como principal objetivo readaptar o deficiente visual à sociedade. Atualmente 54 alunos, entre cinco e 88 anos de idade, são atendidos. Entre eles, 22 são estudantes da rede regular de ensino e 32 da comunidade.