Medida visa aumentar o volume de doações de sangue durante o inverno

Aquecer o coração com gesto de amor ao próximo. Essa é a premissa do Hemonúcleo de Barra Mansa ao realizar a campanha “Arraiá do Sangue Bom”, que visa aumentar o volume de doações de sangue durante o período de inverno. A atividade acontece entre os dias 18 e 30 de junho, de 7 às 11 horas, na unidade que fica localizada na Rua Pinto Ribeiro, 205, Centro, anexo à Santa Casa.

Segundo o coordenador do órgão, Sérgio Murilo Conti, a chegada do inverno provoca uma queda significativa no número de doadores de sangue. “Nesta época o hemonúcleo sofre uma redução de até 40% nas doações. Em contrapartida, a demanda dos hospitais da região permanece e não podemos reduzir a liberação das bolsas de sangue, já que isto implicaria em possíveis cancelamentos de cirurgias e outros problemas. Por isto, o ideal é mantermos a média diária de 30 doações”, explicou.

O Hemonúcleo de Barra Mansa atende além do município, as cidades de Rio das Flores e Valença. “De janeiro a maio deste ano, a unidade forneceu cerca de duas mil bolsas de sangue para Barra Mansa, sendo 1.694 destinadas à Santa Casa; 263 para o Hospital Santa Maria e outras 44 para o Hospital da Mulher. Para Valença foram encaminhadas 489 bolsas de sangue e 11 para Rio das Flores”.

O “Arraiá do Sangue Bom” já é referência no município. A atividade acontece há pelo menos cinco anos. Neste período quem doar sangue tem a oportunidade de participar de um lanche com comidas típicas de festas juninas, como cachorro quente, broa de milho verde, canjica e chocolate quente. O evento será encerrado no último sábado deste mês, quando o hemonúcleo funcionará em regime especial de atendimento.

Quem pode doar sangue – Para doar, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 quilos e estar em boas condições de saúde. O doador precisa estar bem alimentado, evitar alimentos gordurosos nas quatro horas antes da doação e não ingerir bebida alcoólica nas 12 horas anteriores.

Análise do sangue – Após a doação, o sangue passa por uma criteriosa avaliação realizada no próprio hemonúcleo e no HemoRio, onde é verificada a sorologia a fim de evitar doenças transmissíveis pelo sangue, como Hepatite B e C, sífilis, HIV, doença de chagas. Na sequência, é feita a manipulação e pesagem do sangue, que ainda passa pelo processo de centrifugação para separação do hemocomponentes viáveis – concentrado de hemáceas,  plaquetas, plasma e crioprecipitado  – que serão utilizados em diversas patologias.