Espírito natalino influencia na confecção de novos produtos e dão aos consumidores opções de presente para o fim de ano

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico Tecnologia e Inovação de Barra Mansa iniciou nesta terça-feira (11), a Mega Feira de Natal, na Praça da Matriz, no Centro. Durante 12 dias, 60 artesãos estarão no local expondo seus produtos confeccionados a mão, sempre priorizando a criatividade e a exclusividade. O evento tem apoio da prefeitura local e visa a geração de renda e a oportunidade para os barra-mansenses de presentear amigos e parentes peças diferenciadas nas festas de fim de ano. Cinco mil pessoas são esperadas durante todos os dias da feira.

Para a gerente de Turismo, Bhella Santos, o principal objetivo da feira é movimentar a economia criativa no município e também ser um fator de aumento de renda das artesãs. “Iniciamos o trabalho com os artesãos no ano passado, e desde então cerca de 200 foram qualificados estando prontos para o mercado de trabalho. Hoje o município, conta com uma variedade de produtos artesanais com qualidade excepcional”, comentou.

Bhella ainda contou que no município já existem 500 artesãs cadastradas na prefeitura, sendo que desse número, 300 possuem a Carteira Nacional do Artesão. “Em janeiro vamos desenvolver um projeto em todos os bairros para cadastrar novos artesãos, inclusive pessoas que trabalham com crochê e bordado”, confidenciou a gerente.

 

Ana Lúcia Abreu faz parte da comissão da Feira e garantiu que a expectativa é garantir bons lucros com a comercialização. “Estou muito confiante. Os produtos estão belíssimos. Nós trabalhamos duro, mas com muito amor para que o resultado fosse o melhor possível e sinceramente, nos superamos”, comemorou a artesã.

Vera Lúcia Alves, de 60 anos, moradora do bairro Saudade, disse que a Feira é um espaço que embeleza a cidade e confessou que durante os dias de exibição vai garantir os presentes da família toda. “Hoje eu comprei alguns produtos, amanhã vou tentar voltar e comprar mais. O trabalho dessas artesãs é lindo. Precisamos valorizar quem trabalha com tanta dedicação”, contou a aposentada.