Participam do curso, que começou nesta segunda-feira, dia 20, médicos, dentistas, nutricionistas e farmacêuticos

Médicos, dentistas, nutricionistas e farmacêuticos da Rede Municipal de Saúde participaram da abertura do Curso de Fitoterapia para Profissionais Prescritores da Associação Brasileira de Fitoterapia (Abfit). A aula inaugural foi na manhã desta segunda-feira, dia 20, no Auditório da Secretaria Municipal de Saúde. A especialização foi oferecida para 40 profissionais pela Prefeitura de Volta Redonda.

De acordo com a coordenadora da Área Técnica de Práticas Integrativas da Secretaria de Saúde, Fabíola Angelita Martins, que ministrou a aula inaugural, “Esse primeiro contato foi para apresentar aos profissionais a plataforma do curso, que é feito à distância, e tirar dúvidas”, falou, acrescentando que a especialização com 232 horas/aula, termina em junho de 2019 e vale como uma pós-graduação.

O dentistas Emanuel Cardoso Martins Periard, que atua no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) do Siderlândia, acha que o curso será muito interessante. “É uma oportunidade de crescer profissionalmente e ganhar conhecimento”, disse.

A médica generalista Alice Risse Mosqueira, que atende na Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) do Volta Grande aposta na diversificação do tratamento. “A fitoterapia é mais uma opção de tratamento”, falou.

A pediatra da UBSF do Água Limpa, Milena Rodrigues Anchite, também acredita que a fitoterapia é uma opção a mais. “No caso das crianças, acho que é importante oferecer, quando possível, um tratamento mais natural”, afirmou.    

FARMÁCIA VIVA – Essa especialização é mais uma etapa para a implantação da Farmácia Viva em Volta Redonda. “A Farmácia Viva prevê a manipulação das plantas desde o cultivo até a dispensação na farmácia, por isso, capacitando os profissionais de saúde, principalmente os prescritores, garantimos o sucesso do programa. Eles podem avaliar quando os fitoterápicos podem ser usados no tratamento do paciente”, explicou Fabíola.

A Farmácia Viva no município vai começar com duas espécies: o capim limão, usado como calmante suave, para quadros leves de insônia e alívio de pequenas crises de cólicas uterinas e intestinais; e o guaco, que é depurativa, estimulante do apetite, bronco dilatador e expectorante.

Num segundo momento, o investimento será nos fitoterápicos à base de erva cidreira, carqueja, babosa e hortelã. O objetivo é ter na Farmácia Viva fitoterápicos com as doze plantas da Relação Nacional de Medicamentos (Rename).