Estudantes do curso de Assistente Administrativo realizarão parte prática durante seis meses na autarquia

Pela primeira vez na história do Saae-VR (Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Volta Redonda), jovens aprendizes ingressaram no corpo de funcionários da autarquia. O diretor-executivo do Saae-VR, José Geraldo Santos, o Zeca, recebeu os 16 jovens na manhã desta segunda-feira, dia 11, no auditório do Saae. Os estudantes participaram de seis meses de aula teórica do curso de Assistente Administrativo do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), e agora realizarão a parte prática durante seis meses na autarquia.

“É uma experiência para a gente. Estamos entrando agora em uma empresa grande, que abrange toda Volta Redonda. A gente nunca entrou em uma empresa, ficávamos apenas na parte teórica. Agora vamos ver como que é na prática tudo aquilo que desenvolvemos na sala de aula”, contou Leonardo Rodrigues, de 20 anos, morador de Pinheiral e que pretende seguir a carreira cursando uma faculdade de Administração.

Leonardo e os outros jovens aprendizes foram apresentados aos seus respectivos gestores e receberam as primeiras informações sobre como será a atuação deles na empresa.

De acordo com o diretor Zeca, a parceria com o Senai foi firmada em outubro do ano passado, também para atender a uma determinação do Ministério do Trabalho, que define uma cota de jovens aprendizes conforme o número de funcionários da empresa.

Ele explicou ainda que todos serão distribuídos pelos setores administrativos do Saae, receberão acompanhamento de monitores e o Senai também acompanhará de perto o desenvolvimento dos jovens.

“Hoje estão assumindo 16 e tem mais dois jovens no Senai se preparando para vir em setembro. No próximo dia 20, outros quatro iniciarão o curso no Senai, somando 22 jovens aprendizes”, contou Zeca.

O prefeito Samuca Silva ressaltou a ação inédita de integrar os jovens aprendizes ao corpo do funcionalismo e afirmou que a administração municipal só tem a ganhar.

“É importante para atendermos questões legais, para melhorar a produtividade do Saae e também tem a questão de aprendizagem dos jovens. Para eles, é um incentivo para a profissão, para o futuro”, comentou Samuca Silva.