Cerimônia de formatura foi na tarde desta quinta-feira, dia 13, no campus Aterrado do UniFOA

Apresentações baseadas em dois casos clínicos distintos marcaram a formatura do curso de Cuidador Familiar de Idosos, promovido pela secretaria de Saúde de Volta Redonda. A dinâmica, proposta pelo geriatra José Roberto Barroso, um dos professores do curso, tem como objetivo avaliar pelas encenações se os alunos aprenderam as lições nos cinco meses de aulas.

De acordo com o médico, a população mundial está envelhecendo e Volta Redonda segue essa tendência de aumento da expectativa de vida. “A idade avançada pode provocar perda da capacidade funcional e o papel do curso é passar para os alunos informações para saberem lidar com essas dificuldades e facilitarem o dia a dia desses idosos”, explicou José Roberto, lembrando que também há os casos de perda momentânea da capacidade nos períodos pós-cirúrgicos ou em caso de acidentes.

Os 60 formandos foram divididos em nove grupos que fizeram apresentações variadas. O grupo da Jucélia dos Santos Belmiro representou uma idosa que sofreu um acidente e ficou com a mobilidade reduzida. Os colegas representaram os cuidadores e deram dicas de como agir nesses casos. “É gratificante mostrar para os profissionais da mesa que aprendemos as técnicas de cuidados com o idoso”, disse, lembrando que cuidava da mãe e, após o falecimento dela, passou a trabalhar como cuidadora.

A turma do aluno Dário Mendes de Paula, apresentou um jogral para mostrar o conhecimento adquirido no curso. “Fiz o curso de capacitação de cuidador familiar, mas já trabalho como cuidador de idosos domiciliar ou hospitalar. Os cuidados são os mesmos, estamos lidando com pessoas fragilizadas pela idade e temos que nos preocupar em melhorar a qualidade de vida deles”, disse.

Os trabalhos foram avaliados por profissionais da Rede Municipal de Saúde como o assistente social Jailson Fernandes da Silva, que ministrou aula sobre o Estatuto do Idoso para a turma formanda. “É importante que eles conheçam um pouco da legislação e ajudem a assegurar direitos básicos como alimentação, moradia, saúde, convivência com a família, por exemplo”, disse.

Além deles, estavam na mesa de avaliação o médico Vinícius Soares Costa Melo, da área técnica de Saúde do Homem; a enfermeira Tayana Moura, da área técnica de Saúde do Idoso; e o coordenador do Centro-Dia de Atendimento à Pessoa Idosa com Alzheimer e Familiares, Vitor Freitas. A cerimônia de formatura contou ainda com abertura musical por conta do presidente e fundador da Associação de Parentes e Amigos da Pessoa com Alzheimer de Volta Redonda, Jorge Pantaleão. “Sou cuidador da minha esposa há quase vinte anos e posso dar um conselho: seja criativo, use subterfúgios para amenizar a rotina de cuidados”, disse.

A coordenadora do curso, Regina Célia Ribeiro, lembra que a capacitação é voltada para os Agentes Comunitários de Saúde, que atuam nas unidades que do Programa de Saúde da Família; para funcionários das Residências Terapêuticas, que atendem pacientes da Saúde Mental; e pessoas da comunidade.

“O curso foi realizado de agosto a dezembro com aulas teóricas e práticas. As vivências práticas foram realizadas no Centro-Dia de Atendimento à Pessoa Idosa com Alzheimer e Familiares, no Jardim Paraíba; Centro Dia de Atendimento à Pessoa Idosa, no bairro Nossa Senhora das Graças; nas Instituições de Longa permanência de Idosos (ILPI), no Dom Bosco e Monte Castelo”, explicou Regina.

 Para o secretário de Saúde de Volta Redonda, Alfredo Peixoto, as aulas, teóricas e práticas, dão mais segurança e respaldo ao cuidador familiar. “A capacitação melhora a qualidade de vida do idoso que é cuidado por parentes, em casa. Porém, sabemos da importância de capacitar também nossos funcionários que atuam com pacientes idosos que necessitam de ajuda temporária ou permanente para o desenvolvimento de suas atividades diárias”, afirmou.

O prefeito Samuca Silva lembra que os idosos de hoje foram nossos cuidadores no passado e merecem toda nossa atenção e dedicação. “A idade avançada pode favorecer o aparecimento de doenças incapacitantes que impedem o idoso de executar tarefas simples do dia a dia como andar, se vestir, ir ao banheiro sozinho. Se preparar para essa situação e garantir o dia a dia mais confortável a esses idosos é o objetivo do curso”.