Toque de Primeira

A partir desta edição estaremos aqui as terças e sexta informando e comentando assuntos esportivos regionais e nacionais, mostrando a  nova realidade do esporte e buscando alternativas para que o leitor esteja sempre  informado e antenado com os últimos acontecimentos de todos os esportes.

Clube formador e suas vantagens

Muito se comenta sobre o assédio dos empresários sobre os jovens talentos trazendo sérios problemas para os clubes. Na verdade,  após entrar em vigor a Lei Pelé, abriu-se um leque de oportunidades para empresas do ramo pudessem investir nas carreiras de atletas e em consequência conseguirem através de autorização dos pais ou simples procuração o direito de representa-los  em todo tipo de negociação como; assinatura de contrato, negociação para renovação de vínculos e até transferências, nacionais e internacionais.

O representante precisa obter um certificado de Agente Fifa, e para obter esse direito terá que possuir registro junto aos órgãos públicos e junto , o clube  CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Após obter o registro o empresário estará apto a exercer a função e poderá se qualificar como representante legal do atleta junto aos clubes, passando e ter exclusividade em todo o tipo de negociação.

Para se resguardar e se garantir de alguma forma, o clube também precisa se adequar ao novo sistema. Será preciso atender a uma série de requisitos básicos como; Centro de Treinamento (campos de futebol), Departamento Médico, sede com alojamento para atletas, refeitórios, dormitórios, possuir ou ser conveniado com Estabelecimentos de ensino, fundamental, médio, profissionalizante ou Faculdade. A partir daí fica o clube responsabilizado para matricular e fazer acompanhamento do atleta/aluno durante todo o período do aprendizado e do vínculo com a agremiação.

O clube terá que possuir assistência jurídica e psicológica e manter um acompanhamento constante do desenvolvimento profissional e intelectual do jovem.  Além de todos os requisitos, o clube precisará obter certidões negativas de débito com os governos; Federal, Estadual e Municipal. São exigências obrigatórias que acabam dificultando a maioria dos clubes brasileiros na obtenção do certificado de clube formador.

De volta a um passado recente

Apesar dos inúmeros clubes profissionais, o amadorismo ainda faz parte do dia a dia do Brasileiro. Numa amostragem recente descobriu-se que 78% dos Brasileiros não dispensam uma peladinha de final de semana, e pelo menos 43% praticam esporte em quadras e campos após um dia de trabalho.

Volta Redonda que outrora foi considerada a cidade com o melhor campeonato amador do Estado tenta resgatar este prestígio e através da Liga de Desportos (LDVR), mantém diversos campeonatos nas categorias sub-15, 17, 40, 50 e 60 anos levando lazer aos bairros da cidade reunindo famílias para bate papos descontraídos regados a cerveja, churrasco e muita amizade. Viva o esporte !!!!